lunes, 25 de julio de 2011

Nao estou chique, só estou com frio.

 

Uma vez, postei uma foto no meu Facebook usando um cachecol e um sobretudo.  Era dezembro de 2009, bem no coraçao do inverno europeu, com temperaturas quase beirando zero graus, portanto nao dava pra dar mole com roupas inadequadas. Meia hora depois de postar a foto, vieram os comentários dos amigos. “Nossa, tá chique!”. Achei aquilo super engraçado, e minha resposta imediata foi “galera, nao estou chique, estou com frio !!!”

É curioso como nós brasileiros associamos casacos e cachecóis com ser chique. Bom, vou corregir. É curioso, como nós CARIOCAS fazemos este tipo de associaçao. Acredito que em Sao Paulo, ou no sul do Brasil, onde as temperaturas sao mais frias, este tipo de associaçao nao seja tao comum.

De qualquer forma, este post vem com a intençao de derrubar um mito. “Quem mora na Europa é chique ou é rico”.  Você vai se surpreender quando souber que é o europeu que acha que o brasileiro é chique e rico, e você vai se dar conta disso a partir do que vou contar agora:

Quem mora em uma grande cidade brasileira e pertence a classe média, está acostumado a ter a disposiçao os serviços de porteiros, empregadas, faxineiras e babás, entao a vida fica um pouco mais fácil de se levar.  A Maria faz a comida pra mim, a Janete passa minhas roupas no sabado, a Penha vai buscar minha filha na creche e o Zé tira as compras do meu carro e leva até meu apartamento. Um dia, você se cansa do calor tropical e decide morar na Europa.  Quando chega, leva o primeiro choque: Nao tem Maria, nem Janete, nem Penha, nem Zé. Alias, até tem. Só que ninguém vai passar sua roupa por 50 Reais ou carregar suas compras por uma cervejinha. Quer ter o mesmo conforto do Brasil ? Entao pode começar a trabalhar muito, mas muito mesmo, porque o teu saláro INTEIRO vai ter que ser utilizado para pagar por estes serviços, que nao sao baratos na Europa.

Aqui na Europa nao tem vida chique nao. A classe média, inclusive algumas familias de  classe media alta vao fazer compras no mercado, lavam a louça, fazem faxina, e lavam o carro.  Eu já reparei por exemplo, que tem muita mulher chique nas ruas de salto alto, bolsa de marca  e usando jóias,  porém com um detalhe curioso: as unhas nao estao pintadas. A razao ? A “perua” lava a louça em casa. Cadê a vida chique ?

Tenho um amigo francês que nasceu e vive em Paris chamado Bernard, e  que foi para o Rio de Janeiro em 2010 passar 3 semanas de férias. Ele se sentiu um milionario no Brasil. As pessoas o chamavam de “Doutor Bernard”,  ele entrava no elevador e tinha ascensorista para apertar os botoes. Por onde andava, havia porteiros abrindo e fechando portas, manobristas estacionando seu carro, etc.

Para um cidadao comum europeu, ter o carro estacionado por um manobrista é algo surreal, que só é possivel em restaurantes de altissimo luxo. Porteiro carregando as compras até o apartamento, nem pensar. Aliás, na Europa, sao raros os prédios com porteiro.  Um cidadao de classe média europeu é incapaz de manter uma tropa de “serviçais” a sua disposicao, portanto, se você acha que é chic morar na Europa, você ainda nao percebeu que é no Brasil que as pessoas (aparentam) ter vida de rico.

Existe outra coisa que transmite a sensaçao de que as pessoas que moram na Europa tem vida boa: O fato de poder consumir diaramente produtos que no Brasil sao considerados caros (perfumes, vinhos, roupas, etc). Isso é outro mito. Infelizmente no Brasil paga-se uma carga tributária extremamente elevada nos produtos importados. Nao sei se isso ocorre para proteger o mercado nacional, se é ganancia do governo ou dos importadores.  O fato é que uma garrafa de vinho francês no Brasil pode custar em média 50 reais, sendo que este mesmo vinho custa em Paris 5 Euros.  Se você consumir 1 garrafa de vinho francês por semana no Brasil, vai ter que desembolsar 200 Reais, uma quantia proibitiva. Já o francês gasta 20 euros por mês tomando um bom vinho (o que dá uma média de 60 centavos por día). O mesmo ocorre com os perfumes e roupas.

No Rio de Janeiro, um morador de um prédio com garagem na Zona Sul pode chegar a pagar 1000 Reais de condominio.  Em Madrid, o morador de um edificio equivalente paga no maximo 60 Euros. A razao é simples: Na europa os edificios normalmente nao tem empregados, portanto nao existe a necessidade de condominios caros para pagar os salarios, FGTS, vales-transporte, etc...  No Brasil existem predios que podem ter 10 empregados entre porteiros e faxineiros. Para manter estes empregos é necessario pagar um condominio alto.

Para fechar este post, vou fazer uma confissao: Aqui na Espanha eu ganho bem menos do que ganhava no Brasil. Aliás, se eu tivesse que viver no Rio de Janeiro com o salario que eu ganho na Espanha, eu teria uma qualidade de vida bastante inferior.  Nas grandes cidades brasileiras você tem que ganhar muito bem para poder sustentar condominios altos, empregadas, faxineiras, porteiros, planos de saude, etc..  Aqui na Europa, um cidadao comum nao dispoe de toda esta estrutura, e portanto ele pode ter uma excelente qualidade de vida, ganhando bem menos.

Em suma, se você quiser continuar ser chamado de “Doutor” ou de “Madame” nao saia do Brasil. Aqui de chique, só mesmo o cachecol.

3 comentarios:

Nanda dijo...

É verdade... uma realidade que eu só percebi quando morei na Europa também. Essa coisa de pintar a unha, lembro bem, não era nem só por lavar a louça, é porque esse serviço é muito caro por aí. Aliás, todos esses serviços "de base" são muito mais caros que aqui. Não é a toa que muito brasileiro vai para aí trabalhar como garçom, faxineira, babá e consegue ter uma vida descente e ainda viajar.

anlene gomes dijo...

Oi Edu, hoje seu blog está na página do Facebook do Mundo Pequeno:
https://www.facebook.com/#!/mundopequeno
Siga-nos no Twitter: @mundo_pequeno
http://twitter.com/#!/mundo_pequeno
Um abraço e bom verão!

Robbie Santos Neves dijo...

Oi Edu, coloquei um link no meu blog para esse texto, achei sensacional. Chique... quem me dera! Muito bom o seu texto.